eutanásia

Quem somos | Contacto | Colaboração | Novidades por e-mail

 

Eutanásia

 educação | família | professor | aborto | liderança | vida | pensamentos | belos textos

Início

 

Eutanásia: perguntas e respostas

Suicídio assistido

O fim do Direito

A vida é bela

Corresponder

A mulher descalça

Cuidados paliativos

Algumas reflexões

Eutanásia na Evangelium Vitae

A minha hora

A táctica da confusão

Desconfiança perante os médicos

Precisões terminológicas

Eutanásia e aborto

A dor

Incuráveis e suicidas

Viver com cancro

Por que não?

Opinião dos pacientes

Declaração

Matar por misericórdia

Eutanásia passiva

A trapaça do caso limite

Espécies de eutanásia

Eutanásia e cuidados paliativos

Distanásia

Um tetraplégico

A situação na Holanda

Holanda II

Morte digna e humana

Promove o suicídio

Estado vegetativo

Insegurança jurídica

Precedentes da eutanásia

Nazismo e eutanásia

 

 

  

precisões terminológicas

 

Etimologicamente, eutanásia vem do grego eu (bem) e thanatos (morte), e significa primariamente boa morte, morte agradável, sem sofrimento. Esta palavra aparece já em Francis Bacon, que afirmou que "a função do médico é restituir a saúde e mitigar os sofrimentos e as dores, não só quando essa mitigação possa conduzir à cura, mas também quando serve para alcançar uma morte tranquila e fácil" (1). No séc. XVIII, é considerada como "acção que produz uma morte suave e fácil"; e no séc. XIX, é definida como a "acção de matar uma pessoa por motivos de piedade", ou como "morte piedosa" (2).

Esta página tem um novo endereço. Será encaminhado para lá dentro de alguns segundos, mas pode carregar já aqui.

«Caímos tão fundo que atrever-se a proclamar aquilo que é óbvio se transformou em dever de todo o ser inteligente». (Georges Orwell)