eutanásia

Quem somos | Contacto | Colaboração | Novidades por e-mail

 

Eutanásia

 educação | família | professor | aborto | liderança | vida | pensamentos | belos textos

Início

 

Eutanásia: perguntas e respostas

Suicídio assistido

O fim do Direito

A vida é bela

Corresponder

A mulher descalça

Cuidados paliativos

Algumas reflexões

Eutanásia na Evangelium Vitae

A minha hora

A táctica da confusão

Desconfiança perante os médicos

Precisões terminológicas

Eutanásia e aborto

A dor

Incuráveis e suicidas

Viver com cancro

Por que não?

Opinião dos pacientes

Declaração

Matar por misericórdia

Eutanásia passiva

A trapaça do caso limite

Espécies de eutanásia

Eutanásia e cuidados paliativos

Distanásia

Um tetraplégico

A situação na Holanda

Holanda II

Morte digna e humana

Promove o suicídio

Estado vegetativo

Insegurança jurídica

Precedentes da eutanásia

Nazismo e eutanásia

 

 

  

A dor

 

Aos 35 anos, a dor chegou à sua vida

Peço perdão por falar de mim. Mas foram as minhas circunstâncias pessoais que me levaram a escrever este artigo. Acabo de sair do hospital depois de uma operação. A convalescença está a ser bastante molesta e dolorosa. Nesta situação compreende-se melhor que haja muita gente que não encontre sentido para a doença, a dor e o sofrimento. Estando neste estado, li " A contra  de la Vanguardia" de dia 27 deste mês Janeiro. É uma entrevista feita por Ima Sanchís a Bruno de Stabenrath, antigo actor, músico e guionista. Em consequência de um acidente de carro, aos 35 anos, a sua vida mudou. Escreveu um livro, "Al galope", sobre a sua experiência. Da entrevista realço alguns parágrafos que certamente têm bastante significado :

Esta página tem um novo endereço. Será encaminhado para lá dentro de alguns segundos, mas pode carregar já aqui.

«Caímos tão fundo que atrever-se a proclamar aquilo que é óbvio se transformou em dever de todo o ser inteligente». (Georges Orwell)